Publicado em 10/02/2017 as 10:51H
Consórcio de A a Z

Já fui contemplado e o crédito do consórcio mudou. O que acontece?

Você foi contemplado, adquiriu o bem ou serviço desejado e o valor do crédito do consórcio mudou. E agora, o que vai acontecer? É justo pagar por um crédito maior do que aquele que você recebeu? Essa é uma dúvida bastante recorrente entre os consorciados e que vamos explicar no post de hoje.

Primeiramente, é importante entender a finalidade do consórcio: “propiciar a seus integrantes, de forma isonômica, a aquisição de bens ou serviços, por meio de autofinanciamento” (artigo 2º da Lei 11.795/08). Ou seja, o objetivo do consórcio é garantir que todos os participantes de um determinado grupo possam adquirir o bem ou serviço desejado, nas mesmas condições.

Suponhamos que você esteja em um grupo de 60 meses para a compra de um veículo no valor de R$ 37 mil. No 18º mês do grupo, o automóvel sofre um aumento e passa a custar R$ 40 mil. Você ainda não foi contemplado e agora precisa de R$ 40 mil e não apenas de R$ 37 mil para comprar o bem. O que acontece? Graças à regra de atualização do crédito do consórcio (Veja como o valor do seu crédito é corrigido no consórcio), ao ser contemplado, você terá disponível o valor necessário para realizar seu objetivo: R$ 40 mil, ou seja, o preço vigente do veículo na data da contemplação.

Quem pagará por isso? Como consórcio é autofinanciamento – ou seja, os bens e serviços são adquiridos com recursos dos próprios integrantes do grupo, que contribuem mensalmente formando uma poupança comum -, essa diferença será paga por todos, mesmo por aqueles que já foram contemplados, por meio do aumento proporcional da parcela (leia O valor da prestação do consórcio muda?).

Dessa forma, se no 36º mês o veículo sofrer nova alteração e passar a custar R$ 43 mil, mesmo que você já tenha sido contemplado, sua parcela será reajustada de forma a viabilizar a compra do veículo no valor de R$ 43 mil por aqueles que ainda não foram. Justo, não é? Afinal, quando você foi contemplado, pode adquirir o bem que tanto desejava, agora outros participantes também precisam adquirir o seu.

Consórcio, compra colaborativa

Por isso dizemos que o consórcio é uma forma colaborativa de adquirir bens e serviços, pois os participantes de um mesmo grupo colaboram entre si para que todos realizem seus sonhos. Essa é a tradução da palavra consórcio: união, ligação, reunião de interesses.

Vale destacar que quando o crédito do consórcio é reajustado para mais, o consorciado já contemplado não receberá a diferença, assim como se reajustado para menos, ele não terá que fazer a devolução. Isso acontece porque o consórcio tem como foco o consorciado contemplado do mês, de forma a garantir os recursos para que ele adquira o bem ou serviço desejado. E as parcelas são calculadas considerando-se uma porcentagem do crédito vigente na data da contemplação, motivo pelo qual o consorciado não precisa pagar a diferença das prestações anteriores.

Aproveite para conhecer melhor o funcionamento do consórcio em nossa cartilha “Consórcio, a arte de poupar em grupo”. Tire suas dúvidas sobre essa modalidade regulamentada e fiscalizada pelo Banco Central do Brasil e, caso precise de mais esclarecimentos, não deixe de entrar em contato com a ABAC pelo e-mail falecom@abac.org.br.

Atualização: confira mais esclarecimentos sobre o assunto no post Atualização da parcela do consórcio após a contemplação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

30 comentários sobre “Já fui contemplado e o crédito do consórcio mudou. O que acontece?”

  1. manoel messias soares carvalho disse:

    POSSO CANCELAR A CONTEMPLAÇÃO

    1. Messias,
      Você pode cancelar a contemplação mas não é aconselhável.
      Veja no seu regulamento, da administradora que você adquiriu o seu consórcio, se o valor do seu crédito naõ está aplicado e rendendo juros.
      Você continuará a pagar o valor da parcela em questão e o seu crédito total será reajustado (gralmente) pela taxa Selic – hoje 13% aa

    2. ABAC disse:

      Olá, Manoel.

      O cancelamento de contemplação só ocorre por inadimplência do consorciado contemplado e desde que os demais participantes do grupo, reunidos em Assembleia Geral Ordinária, assim deliberem. O cancelamento de contemplação pode acarretas ônus ao grupo de consórcio, razão pela qual existe regra para sua realização.

      Abraços

  2. Joelson disse:

    Boa noite,

    Peguei um extrato atualizado do meu consórcio de imóvel já contemplado, mas não entendi e o banco até agora não soube me explicar o saldo devedor…. O que acontece é que o saldo já pago + o saldo a pagar é maior que o valor atual do bem. Quando fui contemplado com a carta de crédito com um lance e comprei o imóvel o valor era 400.000. Agora o valor do bem da carta está em 498.000. Até aí normal, pois o valor é atualizado para os outros que não contemplados poderem comprar tbm. Só não entendo o motivo do calculo dos valores já pagos e os a pagar somados ficam em 521.000,00, sendo que o valor do bem hoje está em 498.000, ou seja 23.0000 a mais que o valor do bem atual…. Minha pergunta seria.. Essa soma não teria que ser o valor do bem… Ou se eu estiver errado, o que poderia ser…

    Desde já agradeço a ajuda,

    Obs desculpe.. meu teclado não está pontuando a interrogação…

    1. ABAC disse:

      Olá, Joelson.

      O consorciado obriga-se a pagar prestação cujo valor corresponde à soma das importâncias referentes à parcela destinada ao fundo comum do grupo, à taxa de administração e às demais obrigações pecuniárias que forem estabelecidas expressamente no contrato de participação em grupo de consórcio, por adesão. Portanto, o saldo devedor compreende o valor não pago das prestações e das diferenças de prestações, bem como quaisquer outras responsabilidades financeiras não pagas, previstas no contrato de adesão.

      Abraço

  3. Rômulo Galvão disse:

    “sua parcela será reajustada de forma a viabilizar a compra do veículo no valor de R$ 43 mil por aqueles que ainda não foram. Justo, não é? ” Só será justo se ao final TODOS os participantes do grupo receberem o mesmo crédito, os contemplados antes e depois do reajuste. Tenho uma cliente que contratou e R$ 30.000,00 e foi contemplada neste valor. Teve o bem reajustado de R$ 30.000,00 para R$ 44.000,00. Ela foi contemplada em R$ 30.000,00 e vai pagar R$ 44.000,00, fora as taxas de administração, que passaram a ser calculadas sobre este último valor. Não há nada de justo dela e de todos os contemplados antes do reajuste não receberem essa diferença ao final.

    1. ABAC disse:

      Olá, Rômulo.

      Agradecemos o seu comentário, mas é esta a sistemática de consórcio, estabelecida na Lei nº 11.795/2009 e na Circular do Banco Central do Brasil nº 3.432/2009 do Banco Central do Brasil. Registramos que o consórcio é a união de pessoas que, por meio de contribuições periódicas, proporciona a aquisição de bens ou serviços, de modo que, a final de determinado período, todos tenham adquirido os bens ou serviços pretendidos.

      Abraço

      1. Diego Andrade disse:

        Boa tarde Rômulo Galvão, gostaria de entrar em contato com você. Como faço?

        1. Raquel Thomaz disse:

          Eu tambem estou passando por uma situação similar com uma carta de consórcio automotivo. Fui contemplada no inicio do grupo e ao longo dos anos o valor do bem foi atualizado normalmente. Ao final do grupo eu levei um prejuízo de quase 20mil. Isso com certeza não é justo! Gostaria de saber se tem alguma forma judicial de receber pelo menos parte deste valor de volta.

          1. ABAC disse:

            Olá, Raquel. Primeiramente, é importante entender o objetivo do consórcio: propiciar aos integrantes de um determinado grupo, de forma isonômica, a aquisição de bens ou serviços, por meio de autofinanciamento (ver artigo 2º, da Lei 11.795/08). Portanto, o valor do crédito é sempre atualizado na forma contratada, para que todos os participantes do grupo tenham a oportunidade de adquirir o bem nas mesmas condições. Da mesma forma como todos os demais participantes do seu grupo contribuíram para que você pudesse comprar o seu bem.
            Abraço

  4. jose josinaldo soares da costa disse:

    fui contemplado por lance e ainda não comprei o bem, neste periodo o credito aumentou e consequentimenete a parcela mensal, sendo que meu credito ficou congelado. diz o art 24
    e se eu nao comprar o bem até o final do grupo o que vai acontecer, meu credito vai ficar congelado ? e eu pagando os aumentos?

    1. ABAC disse:

      Olá, José.

      Não se pode confundir valor atualizado do bem com rendimento do valor do crédito após a contemplação. O valor do bem é sempre atualizado na forma estabelecida no contrato, antes e após a contemplação, e que serve de base para o cálculo das prestações. O grupo de consórcios é responsável por liberar crédito atualizado ao consorciado contemplado até a data da assembleia da contemplação do mesmo. Após essa data, o valor do crédito ficará aplicado no mercado financeiro até a sua utilização e terá rendimentos líquidos a favor do consorciado, conforme estabelece o parágrafo 1º, do artigo 24, da Lei 11.795/2008.

      Abraço

  5. Vinicius Nascimento disse:

    Bom dia, possuo um consórcio que era no valor de R$ 33.600,00 para determinado veículo, fui contemplado e adquiri ele pelo valor de R$ 34.490,00, no inicio pagava uma parcela em torno de R$570,00, alguns meses após a contemplação a parcela literalmente mais que dobrou para R$ 1.273,54, após quase um ano ela subiu mais ainda para R$ 1.524,30.
    Entendo o sistema da atualização, com isso eu concordo, mas no meu caso o veículo consorciado foi descontinuado pela montadora, assim a administradora substituiu por um veículo cujo o valor chega a ser R$22.000,00 a mais do que o contratado.
    Qual a razão para ela escolher um veículo nesse porte, sendo que basicamente ele nem se enquadra mais como popular pelo preço?
    Já que a ideia do consórcio é um grupo de pessoas adquirir determinado bem, elas escolhem pelo valor da parcela geralmente, é legal subir triplicar o valor da parcela pactuada? É legal a administradora escolher um veículo com um valor tão superior assim? Qual o critério de escolha?
    Desde já agradeço.

    1. ABAC disse:

      Olá, Vinicius.

      Na hipótese da descontinuidade de produção do bem referenciado no contrato, a administradora deverá convocar assembleia geral extraordinária (AGE) para que o grupo delibere sobre o bem que substituirá o que foi descontinuado. Somente o consorciado ativo não contemplado participará da tomada de decisão na AGE (cfr.: § 3º do artigo 20 da Lei 11.795/2008).

      Vale registrar que, as prestações dos consorciados já contemplados, vincendas ou em atraso, permanecem no valor anterior, sendo atualizadas somente quando houver alteração no preço do novo bem escolhido na AGE, aplicando-se o mesmo percentual de alteração.

      Abraço

  6. Mateus disse:

    “Vale destacar que quando o crédito do consórcio é reajustado para mais, o consorciado já contemplado não receberá a diferença…”
    Isto não parece justo, pois, no reajuste as parcelas a vencer são calculadas a cobrir o novo valor do bem, logo, ao final do consórcio, TODOS os integrantes terão pago o valor do bem nesta data, mas terão recebido o valor do bem da data de contemplação.
    Esta diferença entre o valor recebido e o pago ao final vai pra onde? deveria voltar ao integrante.

    1. ABAC disse:

      Olá, Mateus. Essa é a sistemática do consórcio, que é regida pela Lei 11.795/2008 e normatizada pela Circular 3.432/2009, do Banco Central do Brasil. Recomendamos a leitura do posto “Veja como o valor do seu crédito é corrigido no consórcio” – http://blog.abac.org.br/consorcio-de-a-a-z/correcao-valor-credito-no-consorcio#blog.
      Abraço

      1. Anderson Diniz disse:

        Bom dia!

        tenho 5 cotas e cada uma é de 100mil… a minha duvida é

        se eu contemplar por lance 2 cotas de 100mil e depois de alguns meses houver um reajuste do bem das outras 3 cotas não contempladas para 105 mil, a cota contemplada no valor de 100 mil mas, que não foi utilizada pois, dependo das outras 3 para adquiri o bem…também serão reajustas para 105 mil caso eu venha utiliza-la?

        Em resumo, a cota contemplada que não foi utilizada tem o valor do bem congelado na data de contemplação?

        att,
        Anderson

        1. ABAC disse:

          Olá, Anderson.

          Quando o consorciado é contemplado, ele tem até o encerramento do grupo para utilizar o valor crédito. Até que isso ocorra, esse valor estará aplicado no mercado financeiro e terá rendimentos líquidos a favor do consorciado contemplado. Portanto, você terá direito a receber o valor do crédito na data da sua contemplação, acrescidos dos rendimentos líquidos da aplicação financeira. Com relação às prestações vincendas, elas serão corrigidas de acordo com o preço do bem ou serviço estabelecido em contrato.

          Abraço!

  7. Paulo disse:

    Boa tarde !
    O meu caso é diferente já fui contemplado a mais de 1 ano e vira e mexe a reajustes na parcela que eu pago , isso seria justo para quem já adquiriu o bem ou serviço ??
    (Consórcio de veículo)

    1. ABAC disse:

      Olá, Paulo.

      Conforme explicamos no textos, mesmo que você já tenha sido contemplado e utilizado seu crédito, a sua prestação continuará sendo atualizada, nos termos estabelecidos no contrato.

      Abraço!

  8. DIEGO disse:

    De acordo com a Lei 11795, a remuneração da Administradora é a Taxa de Administração (§3º, Art. 5º); até 50% das Multas e Juros Moratórios (Art. 28); e Taxa de Permanência sobre o saldo de Recursos Não Procurados (Art. 35).
    Quando um Consorciado é Contemplado e as parcelas são reajustadas posteriormente, o Valor da Carta (Fundo Comum) aumenta e com isso a Taxa de Administração que é sobre esse valor também aumenta, nada de errado se estiver previsto em contrato o reajuste.
    Como exemplo um Consorciado Contemplado com R$ 20.000,00 e no encerramento do grupo o valor do referente ao Consórcio estiver em R$ 25.000,00 terá a Taxa de Administração sobre o valor de R$ 25.000,00 mais terá direito a solicitar os Recursos Não Procurados (Art. 33) de R$ 5.000,00 da diferença do Valor Final menos o Valor Contemplado e a Administradora deverá providenciar o pagamento em até 30 dias corridos a contar do comparecimento do Consorciado (Art. 36).
    Acredito que não existe legislação que permita a Administradora a ficar com o Fundo Comum, acredito que seria até crime de Apropriação Indébita ou Enriquecimento sem causa, ou Ilícito.
    Este Raciocínio está Correto? ou Existe uma Legislação que Permite a Administradora a ficar com o Fundo Comum no Encerramento do Grupo (Qual Lei e Artigo)?

    1. ABAC disse:

      Olá, Diego.

      O exemplo que você apresentou não está correto. Isso porque, ao ser contemplado e utilizado o crédito de R$ 20.000,00, não há que se falar em recursos não procurados. Portanto, os recursos não procurados alcançam o consorciado contemplado que não tenha utilizado o crédito. Assim, no exemplo citado, o consorciado contemplado, que não utilizou o valor do crédito até o encerramento do grupo, fará jus ao recebimento da quantia de R$ 20.000,00, acrescidos dos rendimentos financeiros decorrentes da aplicação dessa quantia no mercado financeiro. Deste modo, o reajuste do valor do crédito na forma estipulada em contrato não caracteriza recursos não procurados. Por outro lado, ao encerramento do grupo, eventuais valores remanescentes a favor de consorciados ativos ou excluídos são devidamente restituídos, conforme prevê o artigo 27 da Circular BC 3.432.

      Abraço!

  9. Adriano Xavier Fernandes disse:

    ola bom dia, acho que essa lei do consorcio deveria mudar, pois nao e justo um consorciado comtemplado pagar pelos reajustes anuais e nao ter nenhum lucro com as atualizaçoes.. pois pensem bem vc foi contemplado com 30.000 mil e com os reajustes anuais e no final do plano vc acaba pagando 45.000 mil mais a taxa de administraçao uns 10 mil, nois consorciados acaba pagango 25 mil reias a mais,, e a pergunta é pra onde vai esses dinheiro a mais, e se consorcio e melhor do que financiamento, porq o consorcio sai mais caro que o financiamento??
    isso nao e correto e nem justo.. VAMOS MUDAR JA REGRAS DO CONSORCIO

    1. ABAC disse:

      Olá, Adriano.

      É importante entender que o objetivo do consórcio é propiciar aos integrantes de um determinado grupo, de forma isonômica, a aquisição de bens ou serviços, por meio de autofinanciamento (ver artigo 2º, da Lei 11.795/08). Deste modo, o valor do crédito é sempre atualizado na forma contratada para que todos os participantes do grupo tenham a oportunidade de adquirir o bem nas mesmas condições. Isso porque, ao longo do tempo, os imóveis e os veículos sofrem variações de preços que são provocadas pela inflação ou por outros fatores de mercado. Se não houver um reajuste periódico do crédito e das parcelas, o Sistema não manterá o equilíbrio entre os consorciados, impedindo que todos façam aquisições nas mesmas condições.

      Abraço!

  10. Toni Marinho disse:

    Amigo não tem nada de justo, vamos ver. Fui contemplado e resolvi quitar todas as parcelas futuras. logo depois ouve aumento do bem… e ae ?? como fica os outros se eu ja quitei o veiculo ?? kkkkkkk

    1. ABAC disse:

      Olá, Toni.

      A quitação antecipada da sua cota gerou mais recursos ao fundo comum do grupo, possibilitando, na primeira assembleia geral ordinária subsequente à sua quitação, o caixa do grupo (fundo comum) ter mais recursos para disponibilizar mais créditos.

      Abraço!

  11. Mateus disse:

    Meu consórcio teve o reajuste do valor do bem e estão me cobrando a diferença das prestações anteriores nas parcelas a vencer. Como devo proceder neste caso?

    1. ABAC disse:

      Olá, Mateus.

      É possível ocorrer a cobrança de diferença de prestação caso o preço do bem ou serviço tenha sofrido alteração entre a data de emissão do boleto e a data da assembleia. Para que possamos averiguar seu caso junto à administradora, por favor, envie um e-mail para falecom@abac.org.br com sua pergunta, nome da administradora e número de cota/grupo.

      Abraço!

  12. Catarina Rizzo disse:

    Olá. Fui contemplada por lance e já adquiri o bem, porém, todo mês o valor da minha parcela muda (para maior), sendo que o valor do carro na tabela Fipe não. Está correto ou estão ajustando o valor indevidamente? Obrigada.

    1. ABAC disse:

      Olá, Catarina.

      Como você pode ter observado ao ler a nossa matéria, mesmo que o consorciado tenha sido contemplado e utilizado o crédito, as prestações vincendas continuam sendo atualizadas, conforme estabelecido em contrato. Verifique no seu contrato qual é o critério adotado para a atualização das parcelas. Assim, caso a Tabela FIPE seja o critério de atualização adotado contratualmente e, de fato, não tenha ocorrido qualquer variação no preço do bem, não há razão para a mudança no valor das prestações. Se for esse o caso, para que possamos ajudá-la, precisamos de mais informações. Por favor, entre em contato pelo e-mail falecom@abac.org.br descrevendo novamente o seu questionamento, com o nome da Administradora e o número do grupo/cota.

      Abraço!