Publicado em 28/08/2018 as 11:19H
Consórcio de A a Z

Entenda a atualização da parcela do consórcio após contemplação

A atualização da parcela do consórcio após a contemplação é uma das dúvidas mais comuns entre os consorciados. Por isso, no post de hoje, vamos mostrar, com cálculos, por que essa atualização é fundamental para viabilizar as contemplações dos demais participantes do grupo. Acompanhe nossos exemplos e entenda como funciona.

Mostramos nos textos O valor da parcela do consórcio muda? e Já fui contemplado e o valor do crédito mudou. O que acontece? que o objetivo do consórcio é garantir que todos os participantes de um mesmo grupo possam adquirir o bem ou serviço desejado, nas mesmas condições. Assim, independentemente de quando ocorrer a contemplação, todos devem ter a quantia suficiente para realizar a compra, mesmo que esse valor tenha sido alterado.

Acompanhe as simulações abaixo para entender que a atualização das parcelas de todos é necessária e que não há saldo para o grupo ou para a administradora referente a isso.

Vamos supor que você participe de um grupo com as seguintes características:

  • Valor do crédito: R$ 20.000
  • Prazo de duração do grupo: 5 meses
  • Número de consorciados: 10 cotistas
  • Número de cotistas contemplados por Assembleia Geral Ordinária: 2

As contribuições no consórcio são calculadas em percentual sobre o valor do crédito (valor do bem ou serviço de referência no contrato). Assim, se o grupo com 10 cotistas precisa realizar 2 contemplações por assembleia, cada cotista deverá contribuir com 20% do valor do crédito (200% dividido por 10 cotistas).

No exemplo acima, 20% do valor do crédito corresponde a R$ 4.000 (R$ 20.000 x 20%). Isso significa que cada cotista deve contribuir com uma parcela de R$ 4.000 para que 2 cotistas sejam contemplados por assembleia.

1ª Assembleia Geral Ordinária

Dessa forma, a situação do grupo na 1ª assembleia é:

  • Valor da parcela: R$ 4.000
  • Valor arrecadado: R$ 40.000 (R$ 4.000 x 10 cotistas)
  • Valor necessário para contemplar 2 cotistas: R$ 40.000 (R$ 20.000 x 2)

2ª Assembleia Geral Ordinária

Partimos agora para a 2ª assembleia, quando o valor do crédito aumenta 3%, assim como a parcela de todos (contemplados e não-contemplados):

  • Número de cotistas contemplados: 2
  • Número de cotistas não contemplados: 8
  • Reajuste do crédito: 3% (20.000 x 3% = R$ 600)
  • Valor do crédito atualizado: R$ 20.600 (20.000 + 600)
  • Valor da parcela do consórcio atualizada: R$ 4.120 (20.600 x 20% do valor do crédito)
  • Valor arrecadado: R$ 41.200 (R$ 4.120 x 10 cotistas)
  • Valor necessário para contemplar mais 2 cotistas: R$ 41.200 (R$ 20.600 x 2)

Observe que todo o valor arrecadado com a atualização é utilizado para a contemplação dos 2 cotistas, não havendo qualquer sobra.

2ª Assembleia Geral Ordinária sem reajuste nas parcelas de todos

Agora veja o que aconteceria na 2ª assembleia se fossem reajustadas apenas as parcelas dos consorciados não contemplados:

  • Número de cotistas contemplados: 2
  • Número de cotistas não contemplados: 8
  • Reajuste do crédito: 3% (20.000 x 3% = R$ 600)
  • Valor do crédito atualizado: R$ 20.600 (20.000 + 600)
  • Valor da parcela do consórcio atualizada: R$ 4.120 (20.600 x 20% do valor do crédito)
  • Valor a ser arrecadado pelos 2 cotistas já contemplados, sem atualização da parcela: R$ 8.000 (R$ 4.000 x 2 cotistas)
  • Valor a ser arrecadado pelos 8 cotistas não contemplados, com atualização da parcela: R$ 32.960 (R$ 4.120 x 8 cotistas)
  • Valor arrecadado: R$ 40.960 (R$ 8.000 + R$ 32.960)
  • Valor necessário para contemplar mais 2 cotistas: R$ 41.200 (R$ 21.600 x 2)

Observe que com o valor arrecadado na situação acima, não seria possível contemplar 2 cotistas, pois faltariam R$ 240 (R$ 40.960 – R$ 41.200). E se os 2 contemplados na 2ª assembleia recebessem o valor arrecadado, eles não conseguiriam adquirir o bem ou serviço desejado, porque seria menor do que o necessário. Não seria justo, visto que eles contribuíram para a realização dos objetivos dos que já foram contemplados, não é mesmo?

Vale lembrar que consórcio é autofinanciamento, ou seja, os créditos concedidos são viabilizados com recursos dos próprios participantes. Sendo assim, a administradora é proibida por lei de utilizar recursos próprios. A diferença, em caso de atualização do crédito para mais, deve ser viabilizada pelos próprios participantes do grupo (contemplados e não contemplados). E como todo o valor arrecadado é utilizado para viabilizar contemplações, não há sobra alguma referente a essa atualização a ser devolvida ao fim do grupo.

IMPORTANTE!

Lembramos que nos exemplos acima foram considerados apenas valores referentes ao fundo comum. Há ainda cobrança da taxa de administração, e fundo de reserva e seguros, se constarem do contrato. Todos são calculados em percentual sobre o valor do crédito, por isso, aumentam proporcionalmente. Saiba como são calculadas as prestações do consórcio clicando aqui.

Consórcio é compra colaborativa!

É muito importante entender que consórcio é uma forma de compra colaborativa, em que todos contribuem para que todos possam realizar. Assim, se você já foi contemplado, só conseguiu alcançar seu objetivo porque todos contribuíram para que você recebesse o valor necessário. Agora você precisa contribuir para que os demais participantes recebam o necessário para alcançar os seus. A atualização do crédito e das parcelas é fundamental para garantir o poder de compra de todos, do início ao fim do grupo.

Caso tenha ficado alguma dúvida, fique à vontade para entrar em contato com a ABAC pelo e-mail falecom@abac.org.br, ou pelo telefone (11) 3231-5022. Estamos à disposição para atendê-lo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

2 comentários sobre “Entenda a atualização da parcela do consórcio após contemplação”

  1. Jéssica Gomes disse:

    muito produtivo.. amo o blog de vcs

    1. ABAC disse:

      Obrigada, Jéssica!