Consórcio de eletroeletrônicos cresce mais de 15% em 2016  

29 . mar . 2017

O consórcio de eletroeletrônicos e outros bens móveis fechou 2016 com aumento de 15,6% nas vendas de novas cotas, comparado a 2015. Após anos sofrendo quedas constantes nas adesões, esse segmento reverteu a tendência em meio à crise.

Tendo seu auge na década de 80 com a instalação da indústria de eletrônicos no país, o consórcio de eletroeletrônicos perdeu boa parte do seu alcance devido à facilidade de pagamento e à queda dos preços desses produtos,  que permitiram ao consumidor muito mais acesso a esses bens. Porém, com a crise pesando no bolso em 2016, o brasileiro viu no consórcio uma alternativa para continuar comprando.  Em 2016, foram vendidas ao todo 15,08 mil cotas, contra 13,05 em 2015.

Com o aumento nas vendas, esse segmento registrou alta de 7,9% no total de créditos comercializados, que ficou em R$ 69,41 milhões em 2016. O tíquete médio no ano passado foi de R$ 4,6 mil, montante 6,7% menor que os R$ 4,9 mil de 2015.

Os três estados que registraram maior número de adesões ao consórcio de eletroeletrônicos foi Rio Grande do Sul, com 3.772 novos consorciados (queda de 14% em relação a 2015), São Paulo, com 3.274 cotas vendidas (crescimento de 24,3% em relação ao ano anterior) e Santa Catarina, com 1.914 adesões. Rio Grande do Sul, São Paulo e Santa Catarina também lideraram em número de participantes ativos: 8.913, 4.571 e 4.189, respectivamente.

Contemplações 

O consórcio aquece o mercado ao disponibilizar créditos aos consorciados para a compra de produtos. Em 2016, ao todo 7,86 mil consorciados tiveram a oportunidade de adquirir bens, embora 10,9% a menos que no ano anterior, quando foram 8,81 mil. A queda nas contemplações refletiu em baixa de 10,8% no total de créditos concedidos, que mesmo assim chegaram a R$ 41,98 milhões.

Além de 40,5% dos consorciados desse segmento terem adquirido eletrodomésticos e 25,4%, eletroeletrônicos, conforme identificou pesquisa da ABAC realizada em junho de 2016, outros 34,1% adquiriram móveis.  Para saber mais sobre o levantamento, clique aqui.

O Blog da ABAC publicou uma série de posts com os resultados positivos do Sistema de Consórcios em 2016. Leia também:

Consórcio amplia participação no financiamento imobiliário

Consórcio de veículos leves cresce em meio à crise

2016, o ano do consórcio de serviços

Vendas de consórcios crescem quase 25% no 2º semestres de 2016

Categoria(s):

Drops de Mercado

Tag(s):

, ,

2 Comentários

  • Gostaria de saber se existe a possibilidade da compra de ferramentas elétricas para essa modalidade?
    Como transformadores, politriz, lixadeiras, ambas elétricas e usadas em mecânica automotiva.

    • Olá, Fernando.

      Sim, existe a possibilidade da compra desses bens pelo sistema de consórcios. O plano de consórcio será referenciado em bem móvel, categoria “qualquer bem móvel ou conjunto de bens móveis”.

      Abraços

Deixe seu comentário

Receba novidades



    Mais vistos

    Nenhum dado até agora.

    ENVIE SUGESTÕES
    DE POSTAGENS