fbpx

Consumo consciente: brasileiro ainda tem dificuldade em adotar

19 . nov . 2019

Adotar práticas de consumo consciente ainda é uma dificuldade para os brasileiros. Entretanto, já há o reconhecimento quanto aos impactos ambientais causados pelo consumo inadequado de recursos naturais. Esse comportamento foi identificado em pesquisa da CNDL/SPC Brasil, divulgada em outubro.

Realizada com consumidores de todas as capitais do país, a pesquisa mostrou que a maioria (97%) possui alguma dificuldade em adotar práticas de consumo consciente. O alto preço dos produtos orgânicos (37%) e os obstáculos em separar o lixo para a reciclagem (32%), foram os principais empecilhos mencionados pelos entrevistados.

Esses dados fazem parte do Indicador de Consumo Consciente (ICC), que em 2019 atingiu 73% – mesmo percentual registrado em 2018. O ICC pode variar de 0% a 100%: quanto mais próximo de 100% for o índice, maior é o nível de consumo consciente.

De acordo com o levantamento, o brasileiro ainda é considerado ‘consumidor em transição. Ou seja, mais da metade (58%) mantém práticas de consumo consciente, mas em frequência aquém da desejada. Já três em cada dez (29%), se encaixam como ‘consumidor consciente’. Outros 13% somam os pouco ou nada conscientes.

Aspectos financeiros do consumo consciente

O estudo mostrou ainda que no Brasil há uma visão de consumo consciente mais voltada ao aspecto financeiro. Para 41% dos entrevistados, ser sustentável significa adotar hábitos que evitem o desperdício e as compras desnecessárias. Leia o post 20 Atitudes para reduzir gastos

Para 32%, consumo consciente é entendido como a necessidade de se refletir sobre as consequências de uma compra antes de concretizá-la. Outros 14%, por sua vez, pensam em atitudes que tem como foco economizar dinheiro, enquanto 11% correlacionam a ação de economizar com a preservação do meio ambiente.

Em uma escala de 1 a 10 de autoavaliação sobre a prática de consumo consciente no dia a dia — em que 1 corresponde a “nada consciente” e 10 significa “muito consciente” —, os entrevistados atribuíram a si mesmos a nota média de 7,7.

“Embora muitos não consigam definir corretamente o que vem a ser o consumo consciente, a percepção em relação às próprias ações no dia a dia é positiva. Apesar disso, a pesquisa sugere que, sob alguns aspectos, essa autoimagem não corresponde totalmente à realidade”, explica a economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti.

Práticas mais recorrentes de consumo consciente

O ICC acompanha as mudanças nos hábitos de compra e outras ações cotidianas dos brasileiros ao longo do tempo, considerando os aspectos financeiros, ambientais e sociais. Abaixo, relacionamos apenas os aspectos apontados em relação ao uso consciente do dinheiro. Saiba quais foram as dez práticas mais comuns identificadas:

  • Sempre pesquisa preço de tudo, mesmo quando compra itens baratos (89,8%);
  • Deixa de comprar um produto novo enquanto o que tem ainda pode ser utilizado ou consertado (89,5%);
  • Busca oportunidades para evitar o consumo, assim recorre às trocas, reaproveitamento e/ou conserto, buscando usufruir a duração máxima dos produtos (88,2%);
  • Sempre planeja as compras do dia a dia, como supermercados, feiras e pequenas compras que faz (87,2%);
  • Controla o valor da conta do telefone mês a mês visando a economia (84,7%);
  • Ao ver colegas ou amigos com coisas novas ou que estão na moda, não se importa e não fica com tanta vontade a ponto de comprar (84,6%);
  • Para economizar, faz em casa muitos serviços que poderiam ser contratados fora, como manicure, pet shop, cinema, lanches (84,3%);
  • Não liga para marcas, o importante é a qualidade do produto (83,6%);
  • Já se arrependeu por ter comprado coisas que não precisava muito (80,3%);
  • Na maioria das vezes vai aos lugares a pé ou de bicicleta para economizar com transporte (80,1%);
  • Ao todo, a pesquisa CNDL/SPC Brasil entrevistou 837 consumidores, de todas as capitais brasileiras, nos meses de maio e junho, acima de 18 anos e de todas as classes sociais. A pesquisa tem uma confiança de 95%.

Leia também:

Categoria(s):

Educação Financeira

Tag(s):

, , ,

Deixe seu comentário

*

Receba novidades




ENVIE SUGESTÕES
DE POSTAGENS