Publicado em 26/06/2018 as 16:28H
Drops de Mercado

Patrimônio líquido do Sistema de Consórcios cresce 26%

O Patrimônio Líquido Ajustado (PLA) do Sistema de Consórcios teve alta de 26,8% de 2016 para 2017. No intervalo de 12 meses encerrado em dezembro de 2017, passou de R$ 9,61 bilhões para R$ 12,19 bilhões.

Capital social, fluxo de caixa e lucros acumulados são alguns dos itens considerados na definição do patrimônio líquido de uma empresa ou entidade. Na prática, é o resultado da diferença entre os valores do ativo e do passivo da organização. No caso do Sistema de Consórcios, trata-se da soma do capital mais reservas das administradoras de consórcios.

Esse é um volume que vem crescendo ao longo dos anos. De acordo com dados do Banco Central (BC), em seis anos o Sistema de Consórcios mais que dobrou seu patrimônio líquido. Em dezembro de 2012, o valor era de R$ 5,8 bilhões. O montante atingido no final de 2017 foi 110% superior.

A arrecadação de tributos e as contribuições sociais pelas administradoras de consórcios acompanharam o avanço das atividades consorciais. Apontaram alta de 8,2% na comparação entre 2017 e 2016. No ano passado, o volume atingiu R$ 2,65 bilhões, ante R$ 2,45 bilhões um ano antes.

Patrimônio líquido e ativos administrados: liquidez do Sistema

Paralelamente ao patrimônio líquido, os Ativos Administrados (AA) dos grupos em andamento também tiveram avanço. Esse indicador se refere à soma dos recebíveis e das disponibilidades e aplicações financeiras. No fechamento de 2017, a alta foi de 11,9%. Passou de R$ 184 bilhões, em dezembro de 2016, para R$ 206 bilhões no ano seguinte. Em seis anos, a evolução foi de 67,5%, já que em 2012 os ativos somavam R$ 123 bilhões.

Esses dois indicadores revelam o crescimento na liquidez do Sistema de Consórcios. Para a contabilidade, esse termo significa a velocidade e facilidade com a qual um ativo pode ser convertido em caixa. Numa relação de confiança, como é o caso do consórcio, é fundamental contar com esse tipo de segurança.

Quando o consumidor define a administradora na qual fará a aquisição da cota, está depositando na empresa a confiança de que ela fará a boa gestão dos recursos do grupo. A empresa será responsável por garantir a sustentabilidade do grupo e que todos os participantes sejam contemplados até o encerramento, por meio de sorteio ou lance.

Essa é uma das razões que explicam a importância de o consumidor escolher uma administradora autorizada pelo Banco Central. Clique aqui para conhecer empresas que atendem a esse critério.

Resumo: liquidez do Sistema de Consórcios

Ativos Administrados*
– R$ 206 Bilhões (Dezembro/2017)
Crescimento: 11,9%

Patrimônio Líquido Ajustado*
– R$ 12,19 Bilhões (Dezembro/2017)
Crescimento: 26,8%

Tributos E Contribuições Pagos*
– R$ 2,65 Bilhões (Janeiro-Dezembro/2017)
Crescimento: 8,2%

Empregos Gerados (diretos e indiretos)
– Mais de 250 mil**

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*