fbpx

O que são índices de preços?

25 . out . 2019

Se você é acompanha a ABAC, já ouviu que seu crédito é reajustado pelo critério estabelecido no seu contrato. Esse critério, na maioria das vezes, é um índice de preço. Mas o que é esse negócio de “índice de preço”?

Os índices de preços são construídos para medir a inflação (clique aqui para saber o que é inflação). É feita uma média de diversos preços, de modo a resumi-los em um único número.​

Os índices de preços podem diferir de várias maneiras. Destacam-se as diferenças na “cesta” de bens e serviços tomados como referência. Por exemplo: pode-se construir índices de preços ao consumidor (que reflete hábitos de consumo das famílias), índices de preços ao produtor, índices de custos de produção, dentre outros, a depender do objetivo.

Mesmo índices de preços ao consumidor podem diferir entre si, pois cada família tem sua própria cesta de consumo. Ainda, ele pode ser desenhado para refletir o custo de vida para um ou outro grupo de famílias. Pode haver, por isso, percepções distintas entre o que o cidadão vê no seu orçamento e o que aparece em um dado índice.

IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo)

O IPCA mede o preço de uma cesta de consumo representativa para famílias com renda de 1 a 40 salários mínimos, em 13 áreas ​geográficas: regiões metropolitanas de Belém, Fortaleza, Recife, Salvador, B​​elo Horizonte, Vitória, Rio de Janeiro, São Paulo, Curitiba, Porto Alegre, além do Distrito Federal e dos municípios de Goiânia e Campo Grande.​​ 

O IPCA é calculado pelo IBGE, com coleta, em geral, do dia 1 a 30 do mês de referência. Com algumas diferenças metodológicas, o IPCA-15 é uma prévia do IPCA. Seu período de coleta estende-se do dia 16 do mês anterior ao 15 do mês de referência.

O IPCA é o índice de referência do sistema de metas para a inflação. ​O Banco Central trabalha para que ela se situe em torno do centro da meta definida pelo Conselho Monetário Nacional (CMN)​. O IPCA também é indexador das Notas do Tesouro Nacional Série B (NTN-B). O Tesouro Nacional passou a se referir a estes títulos como Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais.

Por que há tantos índices de preços no Brasil?

Um índice pode ser apropriado para determinado propósito. Mas não tanto para outro, o que já justifica a existência de uma variedade deles.

Além disso, o processo inflacionário entre os anos 70 e meados de 90 reforçou a necessidade de se contar com maior variedade de índices. Por um lado, a inflação alta e volátil fez com que a evolução dos diferentes preços diferissem ainda mais entre si, levando à necessidade de índices de preços mais específicos para cada propósito. Por exemplo: o INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor) foi criado para refletir o custo de vida de trabalhadores urbanos e passou a ser utilizado como parâmetro de reajuste em dissídios salariais.

Por outro, a inflação alta e volátil também tornou necessário um acompanhamento mais frequente da evolução dos preços. Isso se refletiu na criação do IGP-M, com período de coleta de preços distinto ao do já existente IGP-DI, o que permitiu ao mercado contar com um índice divulgado no último dia do mês para a correção de contratos referentes a operações financeiras e correções de balanços.

Texto produzido com informações do Banco Central do Brasil.

Categoria(s):

Educação Financeira

Tag(s):

2 Comentários

  • Muito bom ter informações, de financias. Pois dependemos desses conhecimentos.para nos engrandecer.

    • Que bom que gostou, Marcia! Um abraço!

Deixe seu comentário

*

Receba novidades




ENVIE SUGESTÕES
DE POSTAGENS