Publicado em 17/05/2018 as 10:12H
Educação Financeira

Os entraves para realizar sonhos

Você já descobriu seu perfil financeiro, já sabe que a educação financeira é fundamental para conquista de objetivos, já definiu sonhos a curto, médio e longo prazos. No quarto post da série “Minhas Contas no Azul”, você vai ver que manter o orçamento em dia não é tão difícil quanto parece, e que você só precisa de um empurrãozinho para chegar lá.

É inegável que um grande esforço será feito. Mas reflita: quantas vezes no mês passado você pesquisou, comparou preços e fez o possível para que uma compra ficasse mais barata do que se esperava? Faça a si mesmo, ainda, os seguintes questionamentos:

1) Para onde vai a maior parte dos meus rendimentos?
2) Quais são minhas principais despesas?
3) Em que eu poderia reduzir meus gastos?
4) Quais deles eu poderia simplesmente eliminar?

Respondendo honestamente a essas quatro questões, você chegará à conclusão de que há espaço para reduções.

O orçamento não pode ser visto como uma camisa de força. A liberdade, de fato, vem do respeito que você dá ao seu dinheiro. Outro fator de libertação são os sonhos que, quando priorizados, geram motivação extra. Se só de imaginá-los o humor melhora. Imagine quando eles forem realizados! Lembre-se sempre da necessidade de ter sonhos de curto, médio e longo prazos ao mesmo tempo. Logo que um desses sonhos for conquistado, você deverá começar a pensar em um novo.

Sempre dá para melhorar

Para tomar uma decisão de compra, deveríamos passar por três etapas: perceber, avaliar e, por fim, escolher. O que acontece é que geralmente negligenciamos a fase de avaliação, devido ao forte apelo ao consumo que existe em nossa sociedade.

Atraídos pela visão de sermos mais bonitos, completos e felizes, fazemos surgir um senso de urgência para aquisição do produto, sem avaliar qual sua real utilidade para nosso dia a dia. Além disso, costumeiramente não avaliamos se o preço cabe no nosso bolso e deixamos de pesquisar, sem pensar se vale a pena deixar para depois. Conheça alguns fatores que ajudam a explicar como tomamos nossas decisões no texto Razão ou emoção: o que te leva a comprar?

Razão ou emoção: o que te leva a comprar?

 

Além disso, muitas vezes confundimos desejo (tudo aquilo que queremos ter ou usufruir, sendo necessário ou não), com necessidade (tudo aquilo de que precisamos e que é indispensável para nossa vida). Por exemplo: a alimentação é indispensável para a vida e independe da nossa vontade. Logo, alimentação é uma necessidade. Agora, querer se alimentar em um restaurante de luxo desfrutando de pratos finos, isso é um desejo. Para saber mais, leia também Necessidade e desejo: você sabe identificar?

Necessidade e desejo: você sabe identificar?

Antes de conhecer diversas estratégias para gastar menos, assunto do próximo post, relembre as últimas compras que você realizou. Agora responda: o que te levou a comprar, a razão ou a emoção? Os produtos eram necessidades ou apenas desejos?

Mesmo que você pense que já gasta o mínimo do mínimo, sempre há em que melhorar para adequar o orçamento financeiro à nova realidade, com o objetivo de não gastar mais do que se estabeleceu.

Semana ENEF

A série “Meu Bolso no Azul” é uma iniciativa da ABAC em apoio à 5ª Semana Nacional de Educação Financeira (Semana ENEF), realizada de 14 a 20 de maio.

E para saber mais sobre como levar uma vida equilibrada e realizar sonhos, leia também a cartilha da ABAC “Na corda bamba – Como a educação financeira pode melhorar a sua vida”. O download é gratuito. Clique aqui para baixar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*