orçamento-familiar
Publicado em 18/05/2015 as 15:57H
Educação Financeira

Saiba como fazer o orçamento familiar

É comum que muitas famílias encontrem dificuldades na hora de saber exatamente o quanto gastam por mês. E quando surgem as despesas imprevistas, muitos acabam atrapalhando-se com as finanças e gastando mais do que podem.

Por isso, fazer um orçamento familiar ajuda a manter o controle dos custos. Porém, analisar cada centavo gasto não é uma tarefa fácil e requer a atenção de toda a família. Mas é possível realizar essa tarefa sem grandes esforços, se você levar em consideração as seguintes dicas:

  • Liste todas as receitas: Antes de mais nada, verifique qual é valor real das receitas dos seus familiares. É necessário prestar atenção nos descontos da folha de pagamento e incluir as rendas extras ou os investimentos feitos nos últimos meses.
  • Anote todos os gastos: Reúna notas e recibos dos gastos de todos os membros da família durante os últimos meses, sem deixar de lado eventuais despesas de última hora. Você pode classificá-las da seguinte forma: habitação, alimentação, educação, transporte, saúde, vestuário, lazer e demais gastos.
  • Estabeleça prioridades: Você deseja poupar dinheiro para levar a família para viajar, comprar um carro novo ou fazer uma reforma na casa? Crie metas de longo prazo para ajudar a poupar dinheiro e não seja impulsivo, caindo em armadilhas de promoções ou preços atrativos.
  • Prepare um valor para gastos extras: Esteja pronto para guardar uma parcela do dinheiro para eventuais gastos extras, desde uma ida inesperada ao médico, reformas na casa ou problemas no carro. Uma opção é separar uma parte do 13º salário para esses casos de emergência.
  • Motive a família a poupar: Como o próprio nome já diz, o orçamento familiar necessita da participação de todos os membros da família. Faça uma reunião com todo mundo para explicar quais são os objetivos e as metas do planejamento e incentive todos a realizarem tarefas que economizem dinheiro.

Uma chave para o futuro

Um levantamento feito pela ABAC (Associação Brasileira de Administradoras de Consórcios) sobre o perfil dos consorciados revelou que grande parte dos que optam por essa alternativa são considerados planejadores. Ao responderem a pergunta “o que vem à cabeça quando ouve a palavra consórcio?”, os entrevistados mencionaram investimentos de longo prazo, poupança programada e programação do futuro.

Portanto, quem busca fazer investimentos em longo prazo, pensando na tranquilidade e segurança da família, tem como alternativa participar de um consórcio de imóveis, por exemplo. Além de a aquisição de um imóvel ser uma garantia de renda futura, o consórcio exige uma contribuição mensal. Assim, o consorciado sabe exatamente onde está investindo a sua renda e cria uma disciplina financeira que o ajuda a economizar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*