Publicado em 20/09/2016 as 15:58H
Educação Financeira

Resistir a ofertas e promoções: você consegue!

Você já parou para pensar porque os produtos são oferecidos por valores R$ X,99 e não por seu preço cheio? Ou porque alguns produtos são anunciados por um pequeno valor por dia, ao invés de um valor mensal? Neste post, o Blog da ABAC vai te mostrar que é possível resistir às ofertas e promoções com um procedimento muito simples: colocar a mão na consciência.

Primeiramente, assista ao episódio “Duas Vezes Judite”, da série “Eu e Meu Dinheiro”, do Banco Central do Brasil (BCB), em que uma consumidora enfrenta dificuldades em resistir às ofertas por causa de técnicas agressivas de venda.

Agora tente se colocar no lugar de Judite. Você já comprou algo porque a “promoção especial” estava acabando? Fez pesquisas de preços antes de comprar? Comparou o valor à vista com o valor total das parcelas? E o cartão de crédito, já levou você a gastar mais?

Estratégias do mercado

Apresentar o valor em parcelas de R$ 199,99, ao invés do valor cheio, assim como a quantidade de prestações em vez do valor total, são técnicas que buscam disfarçar o valor da compra para diminuir a capacidade do consumidor resistir às ofertas. O mesmo vale para quando apresentam a prestação mensal em baixos valores por dia, o que faz parecer que o valor da compra é menor do que o total. Trata-se de uma armadilha, assim como provocar a sensação de urgência com mensagens como “Últimas unidades” ou “Promoção por tempo limitado”, fazendo o consumidor correr para adquirir um produto que pode ser desnecessário.

Na segunda parte do episódio “Duas Vezes Judite”, a personagem adota um perfil de consumo completamente diferente, indo de um comportamento passivo para um ativo, em que planeja suas decisões por entender qual a diferença entre necessidade e desejo.

Gastos com alimentação, por exemplo, são necessários por serem indispensáveis à vida, independentemente da vontade individual. Mas isso não significa cortar tudo o que é supérfluo, pois é possível – e importante – satisfazer também os desejos. Para isso, você pode adotar hábitos básicos, como fazer pesquisas de preços e sempre consultar seu orçamento financeiro para saber qual a sua capacidade de pagamento. Além disso, sonhos devem ser planejados e transformados em projetos para que se tornem realidade (leia também Como transformar sonhos em projetos).

Por fim, existem os gastos completamente desnecessários, relacionadas a hábitos que devem ser eliminados do comportamento do consumidor: uma torneira pingando desnecessariamente, uma luz acesa sem ninguém no cômodo ou uma fruta que apodrece na geladeira sem que alguém consuma. Com a adoção de pequenas ações cotidianas, o consumo consciente pode contribuir para melhorar o orçamento familiar.

Vale lembrar que quanto mais sofisticada for a decisão a ser tomada, mais informações o consumidor deve buscar a seu respeito para conseguir resistir às ofertas e agir mais com a razão e menos com a emoção, de forma planejada. Esse é o propósito da educação financeira, ampliar a compreensão do cidadão quanto ao consumo, a poupança e também ao crédito, de modo que o indivíduo possa fazer escolhas conscientes quanto à utilização de seu dinheiro.

Esse texto foi escrito com informações do projeto “Cidadania Financeira”, do Banco Central (BC).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Um comentário sobre “Resistir a ofertas e promoções: você consegue!”

  1. Charles disse:

    Muito bom! Excelente didática!