Educação Financeira

Consequências do endividamento excessivo

Dívidas são um assunto delicado. Muitos problemas podem surgir se não soubermos lidar bem com elas. Quando não conseguimos pagar as dívidas assumidas, já estamos em um patamar de endividamento muito preocupante. O endividamento excessivo pode trazer sérias consequências financeiras e, até mesmo, morais.

Continuar lendo

Educação Financeira

7 causas mais comuns do endividamento

Normalmente consideramos que estamos em situação de endividamento apenas quando não damos conta de pagar nossos compromissos. Não é bem assim. Na verdade, toda vez que consumimos algo e não pagamos naquele exato momento, estamos assumindo uma dívida. O problema é quando não conseguimos pagar essas dívidas.

Continuar lendo

Educação Financeira

5 Dicas para sair do superendividamento

Você já viu aqui no Blog da ABAC que existem diversos caminhos que levam ao superendividamento. E já viu também como evitar essa cilada. O post de hoje é para você que já está nessa situação e deseja dar a volta por cima.

O superendividamento não escolhe “vítimas”. Qualquer um pode ser surpreendido com perda do emprego, problemas de saúde e salários atrasados. Além disso, são tantas as tentações que muitas vezes fica difícil resistir e consumir com responsabilidade, o que acaba comprometendo o orçamento – leia também Compra por impulso: caminho para o endividamento e Resistir a ofertas e tentações: você consegue!

O ideal é se planejar, pois é muito mais fácil evitar o superendividamento do que sair dele. Mas se já é tarde para se planejar e evitar o problema, confira cinco dicas para equilibrar as contas e sair dele!

  1. Elimine por completo o desperdício. Em situações de superendividamento, também é prudente cortar despesas não essenciais.
  2. Programe-se para aproveitar o 13º salário para quitar dívidas.
  3. Troque suas dívidas por outras mais vantajosas, ou seja, com juros menores. Em geral, as dívidas do cheque especial e do rotativo do cartão de crédito têm juros mais elevados, e vale a pena recorrer a algum empréstimo de juros mais baixos para quitá-las.
  4. Adquira o hábito de comprar à vista. Se preciso, guarde o talão de cheques e o cartão de crédito em casa, para não utilizá-los.
  5. Se tiver um carro, e ele não for instrumento de trabalho ou essencial para sua vida, não hesite em vendê-lo. Utilize o dinheiro para pagar suas dívidas. De quebra, você ainda estará reduzindo suas despesas mensais.

Mudanças são fundamentais

 

Sair do superendividamento exige mudança de vida e de comportamento. Deixe para trás os velhos hábitos e equilibre suas contas. Consumidor consciente compra conforme suas necessidades e, preferencialmente, com recursos próprios, sem recorrer a empréstimos ou a crédito. E lembre-se: não existe mágica, o segredo é planejamento!