compra por impulso
Publicado em 18/10/2016 as 10:30H
Educação Financeira

Compra por impulso: caminho para o endividamento 

Imagine-se na seguinte situação: um produto te chama a atenção em uma vitrine. Antes da decisão de entrar na loja e efetuar a compra, você se pergunta sobre suas necessidades? Cogita procurar o mesmo produto em outra loja por um preço melhor? Ou é daqueles que não resiste à tentação e compra por impulso?

O Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) realizou uma pesquisa para traçar um panorama da compra por impulso no país. Entre os entrevistados, mais da metade (55,3%) relatou ter o hábito de planejar suas compras. Porém, o levantamento detectou que todos os consumidores cedem ao impulso de comprar pelo menos um dos 45 produtos investigados, sendo que 46,6% deles relataram ter um grau médio de impulsividade. Entretanto, o estudo identificou que há uma diferença entre o que foi declarado pelos entrevistados e suas atitudes: 26,5% dos que apresentaram alto grau de impulsividade relataram que nunca compram produtos que não precisam.

Veja o episódio “Eu Vou Levar”, da série “Eu e Meu Dinheiro”, do Banco Central do Brasil (BCB), que ajuda ilustrar essa situação, mostrando dois jovens que apesar de terem condições socioeconômicas semelhantes, possuem hábitos de consumo bastante diferentes.

Neste vídeo, vemos um consumidor que age de forma estratégica e realiza compras planejadas, e outro que mesmo não tendo programado fazer a compra de um tênis, se deixou levar pelos impulsos ao ver um modelo novo, bem posicionado na vitrine da loja. Na compra por impulso, ocorre uma abreviação de certas etapas do ciclo de compra. No caso do vídeo, o consumidor não avaliou e identificou sua necessidade, tampouco procurou alternativas de preço. É justamente na abreviação dessas etapas que o impulso acaba levando à decisão de compra, inclusive por ser algo mais imediato, sem avaliar o custo x benefício, visto que o consumidor pagará mais por aquele produto.

Compra por impulso gera endividamento

Ao consumir, existem dois conjuntos de benefícios que as pessoas estão procurando. O primeiro conjunto são os chamados benefícios utilitários, quando o consumidor o faz porque há uma necessidade. Os outros são os chamados benefícios informativos, de cunho social, mediados por outras pessoas. Nessa categoria, entram status, prestígio, marcas de luxo, de moda e assim por diante, com a pessoa buscando se destacar no grupo – são justamente esses que estão associados a compra por impulso, que geram excesso de despesas frente a receitas e levam ao endividamento.

5 dicas para evitar a compra por impulso

  • Mantenha seus armários organizados
    Uma maneira prática de identificar o que você realmente precisa e os itens supérfluos é manter seus armários organizados. Dessa forma, é possível perceber o que você realmente usa e reavaliar seus gastos.
  • Faça uma lista do que você precisa
    Nas compras do supermercado, por exemplo, ao ter uma lista com os itens que estão em falta na sua residência, você se atém a ele e evita comprar os inúmeros produtos supérfluos que são exibidos em promoção – veja algumas dicas para economizar no supermercado. Se não está na lista, não compre porque você não precisa. Na pesquisa do SPC Brasil, dois em cada dez consumidores (21,8%) afirmaram realizar compras por impulso frequentemente, sendo os locais mais comum as lojas de rua (34,6%), o shopping (21,5%), o supermercado (15,2%) e as lojas virtuais (11,6%).
  • Está saindo para passear ou para comprar?
    Ir ao shopping se tornou um hábito comum das famílias brasileiras, inclusive àquelas que buscam apenas lazer. Porém, tenha em mente que se trata apenas de um passeio, não de compras – ou seja, evite entrar em uma loja “só para ver” algum produto, pois numa dessas você pode acabar se rendendo ao impulso de comprar. Se você vai ao shopping a passeio, vale também buscar alternativas mais baratas ou gratuitas, como parques, praia ou museus.
  • Mantenha seu orçamento doméstico atualizado
    O planejamento é essencial para uma vida financeira equilibrada, onde as necessidades são supridas e os desejos são alcançados, de forma organizada. Mantendo seu orçamento doméstico atualizado, você sabe exatamente quanto pode gastar e pode controlar o impulso de gastar um valor que não está previsto em roupas, por exemplo. Se você não cultiva esse hábito, que tal começar agora mesmo? Na sessão Downloads do nosso site, disponibilizamos uma planilha para a te ajudar a controlar seu orçamento pessoal ou familiar.

Esse texto foi escrito com informações do projeto “Cidadania Financeira”, do Banco Central (BC).

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *